Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Violência contra a Mulher

Em seu primeiro mandato, Keiko Ota foi vice-presidente da CPMI, que promoveu um grande levantamento, em 2012, da situação em que se encontram as mulheres vítimas de violência no país. Para tanto, ela esteve em diversos Estados para conhecer os serviços de atendimento específicos e conversar com especialistas, movimentos e ONGs. Além disso, teve participação decisiva nas audiências públicas realizadas com a presença do poder público e da população. A constatação é que apesar de ter uma das legislações mais avançadas do mundo (Lei Maria da Penha), o Brasil ainda enfrenta dificuldades para prestar assistência adequada às mulheres vítimas. Uma grande vitória obtida pela CPMI foi a apresentação do projeto que criou a Lei do Feminicídio (assassinato de mulher por questões de gênero), sancionada em março de 2015.