Agenda da parlamentar no Congresso é marcada por homenagens e reconhecimento

Destaque para a cerimônia de encerramento da exposição sobre o Holocausto, que tentou transmitir e compartilhar valores como tolerância, respeito, diversidade, igualdade, resistência e resiliência

Agenda da parlamentar no Congresso é marcada por homenagens e reconhecimento

Agenda da semana de trabalho da Deputada Federal Keiko Ota, na Câmara dos Deputados, foi repleta de atividades que trouxeram importantes reflexões e fizeram justas homenagens.

No primeiro momento aconteceu a apresentação dos agraciados do Prêmio Dr. Pinotti, que reconhece e premia as entidades governamentais e/ou não governamentais que se destacam pelo acesso e qualificação dos serviços prestados à Saúde da mulher.

O indicado pela deputada, a “Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo”, ficou entre os cinco agraciados. A Secretaria, por meio da Coordenação de Políticas para as Mulheres do Estado de São Paulo, que fomenta a implementação de políticas públicas afim de promover a equidade de gênero, a eliminação de qualquer forma de descriminação e de violência contra a mulher. Assegurando-lhe a plenitude de seus diretos.

Também houve a reunião da Comissão da Cultura da Paz para votação de requerimento de Audiência Pública. “É muito gratificante perceber que outros parlamentares reconhecem a importância dessa comissão, principalmente nos dias de hoje”, destaca Keiko.

Um dos momentos mais marcantes foi quando, acompanhada de outros deputados, senadores, representantes do Museu do Holocausto e do Embaixador de Israel, Yossi Shelley, Keiko Ota participou da cerimônia de encerramento da exposição “Shoá – o Holocausto: como foi humanamente possível?”.

Esta trouxe imagens e textos que mostravam as atrocidades vividas pelos Judeus, a ascensão e a propaganda nazista, além dos guetos e dos campos de concentração. E que possamos refletir sobre a importância de lutarmos pela paz.

A exposição tentou transmitir e compartilhar valores como tolerância, respeito, diversidade, igualdade, resistência e resiliência.

A deputada ainda foi entrevistada pela TV Câmara para falar sobre o Projeto de Lei PL 9653/18, de sua autoria, que estabelece a obrigatoriedade em hospitais públicos e privados a instituírem procedimentos relacionados a humanização do luto materno.

Essa proposta pretende humanizar os casos em que os bebês não conseguem sobreviver, acolhendo a mãe no sentido de tentar amenizar a dor que essas mulheres passam nesse momento, bem como de promover a capacitação dos profissionais da saúde envolvidos em atendimento nessas situações.