Lei institui 30 de agosto como o Dia Nacional do Perdão

Projeto é de autoria da deputada Keiko Ota (PSB-SP), cujo filho de 8 anos foi morto, em 1997; ela e o marido absolveram os assassinos após conhecê-los

BRASÍLIA – O presidente Michel Temer (PMDB) sancionou a Lei 13.473/2017, que institui o Dia Nacional do Perdão, a ser celebrado anualmente no dia 30 de agosto. A nova lei está publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Foto: JJ Leister/Estadão (7/7/2000)

O projeto que deu origem à lei é de autoria da deputada Keiko Ota (PSB-SP), que teve o filho Ives sequestrado e morto, aos 8 anos, em 30 de agosto de 1997. Depois de conhecer os assassinos do filho, a deputada e o seu marido, Masataka Ota, decidiram perdoá-los.

Segundo informações do site do Senado, a relatora do texto, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), avaliou que a atitude de Keiko Ota é um exemplo a ser seguido.

Para a relatora, o projeto é importante e singelo, pois promove o perdão em tempo de “divisões e muros”. O projeto foi aprovado pelo Congresso no fim de março.