Coletadas 110 mil assinaturas

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Parlamentares, quero aproveitar o reinício dos trabalhos legislativos para fazer uma rápida prestação de contas deste meu primeiro mandato.
Inicialmente, quero lembrar que sou mãe do Ives Ota, meu querido filho que foi sequestrado e brutalmente assassinado aos 8 anos de idade. Desde então – e lá se vão 16 anos – minha vida tem sido lutar por paz, justiça e direitos humanos para todos. E é justamente isso que faz com que eu milite junto aos movimentos de justiça e paz deste País. E é isso também que tem pautado a atuação do meu mandato parlamentar.
Reafirmo aqui que continuarei a dar vez e voz às milhares de famílias vítimas de violência e que não conseguem externar a dor e o sofrimento pela perda de seus entes queridos. Este tem sido o meu lema.
Coordeno, com muita satisfação, a Frente Parlamentar Mista em Defesa das Vítimas de Violência. Vejo o alcance dessa iniciativa a partir do fato de que instalamos essa Frente em Estados como São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Rio de Janeiro.
O trabalho na Frente fez com que eu participasse das reuniões da comissão de juristas que elaborou a nova proposta de Código Penal, que estará em breve aqui na Câmara para votarmos.
Por entender a necessidade de leis mais duras para combater os crimes contra a vida, participei – e ainda participo ativamente – da campanha nacional pelo fim da impunidade, que já ultrapassou a marca de 110 mil assinaturas.
Fui ainda Vice-Presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência contra a Mulher. Por conta dessa Comissão, estivemos em 14 Estados e no Distrito Federal, para verificar a situação dos serviços públicos destinados ao atendimento das mulheres vítimas de violência. Ouvimos representantes de movimentos sociais, ONGs e poder público sobre as dificuldades existentes para o cumprimento da Lei Maria da Penha.
É importante salientar que as propostas que apresentei, que se encontram disponíveis no site do meu mandato, são todas voltadas para dar fim à violência, à criminalidade e à impunidade. Daí reafirmo o meu compromisso, nesta tribuna, por continuar a lutar por paz, justiça e direitos humanos para todos.
Muito obrigada.