O Movimento Segurança USP

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, venho a esta tribuna para dizer que falta segurança no meu Município. É fato: a cidade de São Paulo vive um clima de insegurança. Digo isso com base em duas mobilizações que tenho acompanhado de perto.
A primeira é a luta dos moradores do Butantã, do entorno da USP e dos bairros vizinhos por mais segurança na região, que tem sido alvo frequente de uma crescente onda de violência. 
O Movimento Segurança USP e Arredores, que mantém uma comunidade no Facebook, com cerca de 2.400 membros, já promoveu duas passeatas. A última, ocorrida no sábado passado, reuniu mais de mil pessoas. Os manifestantes exigiram maior vigilância, com mais policiais militares e civis nas ruas, além de patrulhamento com viaturas, a instalação de bases móveis e investigação aprofundada dos crimes cometidos.
A preocupação faz todo o sentido quando analisamos a situação da região, que registrou 100 assaltos somente em novembro e dezembro do ano passado, conforme dados do próprio movimento.
A outra mobilização, que também conta com meu apoio, é promovida pela ONG Justiça É O Que Se Busca e pelos moradores dos Jardins, bairro onde encontramos famílias de classe alta. A quantidade de homicídios e latrocínios nesse bairro é alarmante. Por isso, está sendo convocada uma grande manifestação para esse sábado, dia 8 de fevereiro, às 11 horas, em frente ao MASP. De lá, as pessoas irão caminhar pacificamente até os Jardins.
Minhas senhoras e meus senhores, a violência, no Brasil, transformou-se em uma epidemia. Por isso, a necessidade de darmos um basta a essa situação. Daí o meu apoio para que a sociedade possa cobrar de nossas autoridades públicas medidas que, de fato, erradiquem a violência, a criminalidade e a impunidade.
Muito obrigada!